domingo, 23 de fevereiro de 2014

SOLIDÃO(poesia)

                                                                      SOLIDÃO                                     Em Aracaju,10/03/2004
Sinto-me só
Muito só
Irremediavelmente só
E, meus pensamentos
Vagam

Imersos na minha solidão
Sem rumo, sem prumo
Varam a noite
Sem  aquietar
Num  turbilhão

De dúvidas
E incertezas
Tristeza
Pela falta de respeito
Afrontosa

Que corrói
Que destrói
Todo amor
Que se sente no peito
A razão

Quem sabe?
Onde está?
Conflito de opiniões
E declarações
De arrepiar

Sem querer incomodar
Retiro-me
À minha solidão
Sem par
Para meditar

E achar
Explicação ou não
Para tanto blá, blá, blá
Sinto-me cansada
Deveras entediada

Do mundo,das pessoas
De tudo
Os valores coitados
Onde  foram parar?
O bom, o honesto,o justo,a palavra

O sim e o não,onde estão?
No rolo compressor do consumismo
Perderam-se todos
E nós tolos
Querendo encontrar

Sem achar
E assim vivemos a vida
Sem achar guarida
A imaginar
Como seria bom

Se soubéssemos amar
Sem cobrar
Nem  exigir
O que não nos podem dar
Seria a paz

Aracaju, 23 de fevereiro de 2014





Nenhum comentário:

Postar um comentário